Subscribe Newsletter

X
A+ A-
África e Europa discutem na Estónia sobre Governação Eletrónica Sustentável: Cabo Verde e Moçambique apresentados como modelos de sucesso

A cidade de Tallinn, capital da Estónia, acolhe hoje e amanhã, 30 e 31 de maio, uma conferência internacional que busca responder ao desafio de como assegurar o desenvolvimento sustentável da Governação Eletrónica nos 115 países representados no encontro, destacando exemplos que mudaram a vida de cidadãos em África e na Europa, como é o caso do país anfitrião, de Moçambique, Namíbia, Cabo Verde e Sérvia. O evento acontece no âmbito da celebração do 15º aniversário da Academia de Governação Eletrónica da Estónia.
 
Kersti Kaljulaid, presidente da Estónia, inaugurou a conferência, ato que teve ainda como convidados Patrick Ignatius Gomes (Secretário-Geral do Grupo África, Caraíbas, Pacífico), Amani Abou-Zeid (Comissário para a Infraestrutura e Energia da União Africana), Stefano Manservisi, (Diretor-Geral para a Cooperação e Desenvolvimento da Comissão Europeia) e membros de governos de diversos países responsáveis pela Governação Eletrónica, o que testemunha a importância desta mega reunião.  
 
Hannes Astok, Diretor para o Desenvolvimento da Academia de Governação Eletrónica, entidade organizadora do evento, diz que o número de países inscritos nesta conferência (115) indica claramente que o desenvolvimento da governação eletrónica tornou-se um assunto vital para várias nações à volta do mundo. “Baseado na cooperação que a Academia de Governação Eletrónica tem há 15 anos com mais de 50 países, podemos com certeza afirmar que o fator-chave na governação eletrónica é a existência de pioneiros e especialistas locais”, diz Astok.
 
Nesta esfera, a Estónia é o um bom exemplo, anota o Diretor para o Desenvolvimento da Academia de Governação Eletrónica. “A Estónia evoluiu para um Estado Eletrónico através dos seus próprios esforços, erros e sucessos. Fazendo nós mesmo as coisas, ao mesmo tempo que aproveitava as experiências ganhas em outras paragens, também ajudará outros governos a desenvolver as suas soluções de e-State de um modo sustentável”, diz Astok, frisando que outros bons exemplos estão a ser apresentados durante a conferência.
 
São os casos de Cabo Verde e Moçambique, dois países abrangidos pelo Projeto de Apoio à Melhoria da Qualidade e da Proximidade dos Serviços Públicos nos PALOP e Timor-Leste (PASP/PALOP-TL). A experiência de Cabo Verde será objeto de uma exposição de António Fernandes, investigador da Universidade de Cabo Verde e presidente do Conselho de Administração do NOSi (Núcleo de Operacionalização da Sociedade de Informação). Já Laurino Alberto Chemane, investigador na Universidade “Eduardo Mondlane”, de Maputo, abordará o modelo de Moçambique.
________
 
 
 

PALOP-TL / UE Cooperation
Co-financiers
Project Management
Technical Supervision
Suivez-nous