Subscribe Newsletter

X
Imagem da bandeira de Cabo Verde
A+ A-
Planear e gerir bem são essenciais para países com parcos recursos

Luís Amaral e João Varajão, docentes da Universidade do Minho que fazem parte do quadro de formadores do PASP/PALOP-TL, afirmam que sobretudo para países parcos em recursos humanos e financeiros, como são os beneficiários do projeto, é de capital importância fazer um planeamento estratégico e gerir bem o eGOV. O que encontraram em Cabo Verde, onde ministraram três cursos de 27 a 31 de março, deixou-os optimistas. 
 
Qual era a vossa expetativa em relação a esta formação que ministraram em Cabo Verde e o que acabaram por encontrar?
 
Luís Amaral - A minha expetativa era elevada e foi cumprida. Ou seja, encontrei aqui em Cabo Verde um conjunto de formandos muito mobilizados e preocupados com as situações que têm em mãos. Portanto, foram uma turma atenta e dedicada, que respondeu plenamente àquilo que foram os desafios que fomos lançando.
 
João Varajão - Eu estava igualmente à espera de um grupo de pessoas com fortes competências técnicas, mas com algumas necessidades de formação na área da gestão. Encontrei, de facto, pessoas com competências técnicas e interessadas, inclusivamente algumas de gestão, e com grande vontade de adquirir novas competências em áreas particulares da gestão de projetos. Portanto, as minhas expetativas foram totalmente cumpridas e espero que a formação seja útil para o trabalho que desenvolvem nas instituições onde trabalham.
 
Para um país como Cabo Verde, que ainda iniciou a sua caminhada no domínio da Governação Eletrónica qual a importância do planeamento estratégico e da gestão?
 
Luís Amaral: O planeamento, que traduz a vontade de pensar as coisas antes de serem feitas, é importante em todas as circunstâncias, muito em particular nas circunstâncias de alguma escassez de recursos, onde é importante a escolha criteriosa do que se vai fazer, isto é, estabelecer as prioridades. Nestas circunstâncias, é fundamental, antes de fazer as coisas, pensar bem se se justifica fazer tal coisa, pois é preciso aplicar da melhor forma possível os recursos que se tem.
 
Nos países com parcos recursos, qual a importância de ter um projeto como o PASP?
 
João Varajão - A gestão de projetos tem um papel fundamental na utilização eficiente de recursos. Ao se definir um projeto e ser disponibilizado um conjunto de recursos para se poder atingir os fins que são definidos, é preciso implementar um conjunto de práticas que possibilitem que esses fins sejam efetivamente atingidos e com a melhor eficiência possível. Assim, um projeto como este [PASP/PALOP-TL] pode ser estruturante e, graças â componente de formação associada, tem a virtude não só de trazer recursos e permitir melhorar uma parte particular da sociedade, mas inclusive de dotar as pessoas de competências para fazer uma melhor gestão e assegurar a continuidade dos projetos. Ou seja, os resultados de um projeto devem perdurar e fortificar com o tempo.
 
Quão essencial podem ser as TICs e a Governação eletrónica para os países beneficiados pelos PASP/PALOP-TL?
 
Luís Amaral - Uma das formas que os países têm de recuperar algum relativo atraso que possam ter no desenvolvimento é precisamente promovendo uma utilização avançada das TICs. São já inúmeros os casos de estudo que demonstram que o atraso que há uns anos havia, quando existia apenas a rede fixa de telecomunicação, foi ultrapassado com o surgimento das redes móveis. Ou seja, a digitalização dos meios eletrónicos e de comunicação massifica-se, banaliza-se e vai aceleradamente levar as populações a oportunidades de aceder a serviços em igualdade de circunstâncias, quer estejam num grande centro urbano, quer no meio de uma serra. Isso é bom para todos e uma influência muito boa para a modernização dos países e da sociedade.
 
Perfil
 
Luís Amaral
 
 
Luís Alfredo Martins do Amaral é formado em Informática (Sistemas de Informação) pela Universidade do Minho, desde 1995, onde é hoje professor associado. Publicou já 35 artigos em revistas especializadas, 77 trabalhos em actas de eventos, além de livros como “Planeamento de Sistemas de Informação”, em co-autoria com João Varajão, colega na UMinho.
 
João Varajão
 
João Varajão é docente de Sistemas de Informação e Gestão de Projetos na Universidade do Minho, além de investigador no Centro Algoritmi, da mesma universidade. Doutorado em Tecnologias e Sistemas de Informação, Varajão publicou até a presente data mais de 250 trabalhos, incluindo comunicações em conferências internacionais. É co-fundador da CENTERIS - Conference on ENTERprise Information Systems e do ProjMAN - International Conference on Project MANagement, bem como editor-chefe do International Journal of Information Systems and Project Management (IJISPM).        
                                        

PALOP-TL / UE Cooperation
Cofinanciers
Project Management
Technical Supervision
Follow us